No Debian foi gerado um movimento para incluir firmware proprietário na distribuição

Steve McIntyre, líder do projeto Debian por vários anos, tomou a iniciativa de repensar a atitude do Debian em relação ao envio de firmware proprietário, que atualmente não está incluído nas imagens de instalação oficiais e é fornecido em um repositório "não-livre" separado.

na opinião por Steve, tentar alcançar o ideal de entregar apenas software de código aberto cria dificuldades desnecessário para os usuários, que em muitos casos precisam instalar firmware proprietário se quiserem que seu hardware funcione corretamente.

O firmware proprietário é colocado em um repositório não livre separado, juntamente com outros pacotes distribuídos sob licenças abertas e não-livres. O repositório não-livre não é oficialmente parte do projeto Debian e os pacotes que ele contém eles não podem ser incluídos na instalação ou nas compilações ao vivo.

Por causa disso, as imagens de instalação com firmware proprietário são construídas separadamente e são classificadas como não oficiais, embora sejam formalmente desenvolvidas e mantidas pelo projeto Debian.

Assim, um certo status quo foi alcançado na comunidade, no qual se combinam o desejo de distribuir apenas software de código aberto e a necessidade de firmware para os usuários. Há também um pequeno conjunto de firmware gratuito, que está incluído nas compilações oficiais e no repositório principal, mas existem muito poucos desses firmwares e não são suficientes na maioria dos casos.

A abordagem do Debian cria muitos problemas, incluindo inconveniência aos usuários e desperdício de recursos ao construir, testar e hospedar compilações não oficiais com firmware fechado. O projeto apresenta imagens oficiais como as principais compilações recomendadas, mas apenas confunde esses usuários, pois encontram problemas de suporte de hardware durante o processo de instalação.

O uso de builds não oficiais inconscientemente leva à popularização do software não-livre, pois o usuário, junto com o firmware, também recebe um repositório não-livre conectado a outro software não-livre, ao passo que se o firmware fosse oferecido separadamente, seria ser possível fazê-lo sem incluir o repositório não-livre.

Recentemente, os fabricantes têm recorrido cada vez mais ao uso de firmware externo carregado pelo sistema operacional, em vez de fornecer firmware na memória permanente dos próprios dispositivos. Esse firmware externo é exigido por muitos adaptadores modernos de gráficos, som e rede.

Ao mesmo tempo, a questão de quanto firmware pode ser atribuído à exigência de fornecer apenas software livre é ambígua, pois, na verdade, o firmware é feito em dispositivos de hardware, e não no sistema, e se refere a equipamentos. Com o mesmo sucesso, computadores modernos, equipados até com distribuições totalmente gratuitas, rodam firmware embutido no equipamento. A única diferença é que o sistema operacional carrega parte do firmware, enquanto outros já estão instalados na memória ROM ou Flash.

Steve apresentou cinco opções principais para o design do lançamento do firmware no Debian, que está programado para ser colocado em votação geral pelos desenvolvedores:

  1. Deixe tudo como está, forneça firmware fechado apenas em assemblies não oficiais separados.
  2. Pare de fornecer compilações não oficiais com firmware não livre e alinhe a distribuição com a ideologia do projeto de entregar apenas software livre.
  3. Mova builds não oficiais com firmware para a categoria oficial e envie-os lado a lado e no mesmo local com builds que incluam apenas freeware, tornando mais fácil para o usuário encontrar o firmware desejado.
  4. Inclua firmware proprietário em compilações oficiais regulares e recuse-se a fornecer compilações não oficiais individuais. A desvantagem dessa abordagem é que o repositório não livre é habilitado por padrão.
  5. Separe o firmware proprietário do repositório não-livre em um componente de firmware não-livre separado e envie-o por push para outro repositório que não exija a ativação do repositório não-livre. Adicione uma exceção às regras do projeto que permite que um componente de firmware não livre seja incluído em assemblies de instalação regulares. Assim, será possível recusar a formação de assemblies não oficiais separados, incluir firmware em assemblies regulares e não ativar o repositório não livre para usuários.

O próprio Steve defende a adoção do quinto ponto, o que permitirá que o projeto não se desvie muito da promoção do software livre, mas ao mesmo tempo torne o produto conveniente e útil para os usuários.

O instalador propõe separar explicitamente firmware livre e não livre, o que dá ao usuário a oportunidade de tomar uma decisão informada e informá-lo se o firmware livre disponível é compatível com o hardware atual e se há projetos de criação de firmware livre para dispositivos existentes. Na fase de download, também está planejado adicionar uma configuração para desativar o pacote com firmware não livre.

fonte: https://blog.einval.com/


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   sem nome dito

    Eu acho que está tudo bem como é com non-free e main bem separados, mas já que este homem menciona o assunto, talvez seja hora de ser mais radical, eliminar o non-free completamente e torná-lo uma distribuição livre pura e para o M o não -gratuitamente. Para quem não gosta, alternativas não faltam, como o Ubuntu por exemplo.

    O que eles não podem de forma alguma é colocar software não-livre em main. Acho que se o fizerem, muitos abandonarão esta distro, o debian deixaria de ser debian, não faria nenhum sentido.

    1.    Walter dito

      Um tempo atrás eu fiz um comentário na nota onde fala sobre a aprovação de votação secreta no Debian (o comentário ainda não foi aprovado): https://blog.desdelinux.net/los-desarrolladores-de-debian-aprobaron-la-posibilidad-de-votacion-secreta

      Com essa nota e o comentário você vai confirmar que o Debian vai deixar de ser o que é.