Mandril: uma distro GraalVM para construir Quarkus

Red Hat e a comunidade GraalVM revelados anunciou recentemente o lançamento de uma nova distribuição por GraalVM, chamado mandril. Espera-se que com esta nova distribuição conduzir a versão Red Hat do Quarkus, uma adição recentemente anunciada ao Red Hat Runtimes.

Quarkus é uma estrutura Kubernetes Java nativa para JVM e compilação nativa. quarks fornece uma solução eficiente para executar aplicativos Java sem servidor, microsserviços, contêineres, Kubernetes, FaaS ou nuvem. O Mandrel é open source e está disponível no GitHub, mas ainda não tem uma distribuição binária.

De acordo com uma nota de Mark Little, diretor sênior de engenharia da Red Hat, Mandril pode ser descrito como uma distribuição de um padrão OpenJDK com uma imagem nativa GraalVM especialmente compactada.

O objetivo principal por trás da introdução do Mandrel pela Red Hat é melhorar a velocidade e eficiência da estrutura Quarkus. É uma estrutura que oferece desenvolvimento local com recarga rápida e distribuição em contêineres ou sem servidor para provedores de computação em nuvem.

quarks concentra-se na capacidade de construir executáveis ​​nativos que começam mais rápido e eles também reduzem os custos e recursos operacionais na nuvem.

Na verdade, A Red Hat explicou que para o Quarkus, o elemento importante do GraalVM é sua funcionalidade de imagem nativa que produz executáveis ​​nativos, que é um recurso chave para o Java ser competitivo em cargas de trabalho nativas na nuvem. Portanto, o Mandrel permite ter GraalVM além do OpenJDK 11 no Red Hat Enterprise Linux e outras distribuições do OpenJDK 11.

De acordo com a Red Hat, a diferença para o usuário é mínima, mas para manutenção, o alinhamento prévio com OpenJDK 11 e GraalVM é essencial.

“Com o Mandrel, os clientes Red Hat e a comunidade GraalVM se beneficiam de um desenvolvimento verdadeiramente aberto, e a Red Hat pode oferecer suporte a seus clientes com mecanismos comprovados, ao mesmo tempo em que retribui às comunidades em que eles confiam para continuar avançando no estado da arte da computação de código aberto," disse a empresa, falando sobre Mandrel.

Em termos de desempenho, GraalVM se distingue por um tempo de inicialização 50 vezes mais rápido e 5 vezes menos uso de memória.

Esses diferentes testes foram feitos usando uma versão mais antiga do framework Quarkus no modo Java HotSpot. Embora esse aprimoramento exija um tempo de compilação mais longo, ele pode ser usado em paralelo com a implantação do Quarkus Lambda e das funções do Azure.

Além disso, o repositório Mandrel GitHub ainda não oferece distribuição binária. Pelo contrário, os próprios usuários compilam o JDK seguindo as instruções. Além disso, o desenvolvedor de software James Ward avaliou o GraalVM em detalhes e apresentou seus benefícios na melhoria do desempenho, bem como algumas armadilhas, como aplicativos que dependem de reflexão.

Segundo ele, isso cria um problema para as imagens nativas do GraalVM, pois a reflexão ocorre em tempo de execução, tornando difícil para um compilador AOT (early bird) determinar os caminhos de execução.

Quando se trata de aplicativos que não precisam pensar, a página inicial do Quarkus aponta diretamente para a vantagem: 12 MB de RAM contra 73 MB (uma redução de 83%) e 0.016 segundos na primeira resposta contra 0.943 (uma redução de 98% )

Os desenvolvedores agora podem usar o Mandrel com sua própria construçãoou podem confiar na comunidade GraalVM ou em qualquer distribuição JDK 11 e superior. Outros dizem que essas estruturas Java nativas realmente não funcionam e não deveriam se tornar um padrão do setor.

Segundo eles, não é uma tecnologia de uso geral onde se pode pegar um aplicativo Java existente e torná-lo nativo. Isso não funcionará, mesmo para aplicativos que são escritos escolhendo uma biblioteca do vasto ecossistema Java.

Estes últimos acreditam que diversos provedores de framework apostam no fato de que a maioria dos aplicativos Java são aplicativos HTTP / ORM / JSON, além de medidas e segurança, etc.

Se você quiser saber mais sobre isso, você pode consultar o seguinte link.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.