Mozilla critica Microsoft, Google e Apple por usarem seus sistemas para incentivar o uso de seus navegadores 

Principais navegadores

Firefox se posiciona como principal alternativa ao domínio Chrome

Recentemente, a notícia de que Mozilla, fez uma crítica encontrada à Microsoft, Google e Apple por usar seus sistemas operacionais para direcionar os usuários para seus navegadores e atrapalhar os rivais que não têm os mesmos benefícios do sistema operacional. Como, por exemplo, Mozilla.

O fato de essas poucas grandes empresas dominarem um mercado de tecnologia tão grande (Mozilla se refere a navegadores e mecanismos de navegação como o coração da web) tem um efeito dominó monopolista que deixa aos usuários pouca escolha, leva a um declínio na inovação, falta de abertura e código de baixa qualidade e inseguro sendo forçado aos usuários da Internet, concluiu o desenvolvedor do Firefox em um relatório recente.

Pesquisadores de A Mozilla escreveu que queria saber como os usuários interagem Internet com navegadores e como os fornecedores de SO sufocam a concorrência e a inovação.

Basta dizer que o Firefox, uma vez considerado legal e popular, não é mais exatamente o que era. No desktop, ele tem uma participação de mercado de cerca de 7%, em comparação com os 67% do Chrome, e no celular, mal conta, de acordo com o StatCounter.

Mozilla publicou nova pesquisa sobre como os consumidores em diferentes países e continentes instalam e usam navegadores. Estudo mostra a importância dos navegadores web para os consumidores, uma vez que a grande maioria dos inquiridos os utiliza todos os dias. Também mostra que, embora muitas pessoas afirmem saber como instalar um navegador em teoria. No entanto, muitas pessoas nunca instalam um navegador alternativo na prática.

Um padrão semelhante pode ser visto entre o número de pessoas que afirmam saber como alterar seu navegador padrão e o número de pessoas que realmente sabem. Basicamente, as pessoas levantam questões de privacidade e segurança, mas também não agem sobre elas.

A Mozilla acusou Google, Microsoft e Apple de "favorecer" um ao outro e pressionar os consumidores a usar seus próprios navegadores.

O relatório chega em um momento em que a "própria preferência" continua a ser um tema quente no espaço de regulamentação de tecnologia; O órgão de fiscalização da concorrência do Reino Unido divulgou um relatório final descrevendo "preocupações substanciais" sobre o domínio de mercado do Google e da Apple.

A posição da Mozilla é que, embora existam alternativas, como o firefox de código aberto, para os três grandes navegadores (Microsoft Edge, Apple Safari e Google Chrome), os usuários acham difícil ou caro mudar deles, especialmente devido à maneira como Microsoft, Apple e Google estão projetando seus sistemas operacionais (Windows, macOS, iOS e Android, principalmente) para manter as pessoas presas. Isso corta o interesse em navegadores concorrentes, que vêem esforços limitados de uso e desenvolvimento e nunca decolam para desafiar o status quo.

Além disso, Google, Apple e Mozilla são os únicos principais fabricantes de mecanismos de navegador restantes, outro indicador de que os usuários não têm muitas opções. A Apple está empurrando seu mecanismo WebKit, no coração do Safari, para usuários de Mac e iOS; A Mozilla tem seu motor Gecko no Firefox; e o Google conseguiu integrar seu mecanismo Chromium Blink não apenas no Chrome para desktop e Android, mas também no Edge, Brave, Vivaldi, Opera, etc., em várias plataformas.

Com a Apple focada em seu próprio ecossistema, que deixa apenas Gecko e Blink em muitas plataformas. Isso, de acordo com a Mozilla, não é um bom negócio para desenvolvedores web ou usuários da Internet. O mecanismo dominante está bem posicionado para ditar os futuros padrões da web.

"A pesquisa que publicamos com este relatório mostra um quadro complexo com muitos paradoxos: as pessoas dizem que sabem como trocar de navegador, mas muitas nunca o fazem", escreveu a equipe da Mozilla. “Muitas pessoas pensam que podem escolher seu navegador, mas têm predileção por software pré-instalado, padrão e difícil de modificar.”

Os gigantes da tecnologia projetam seus softwares para influenciar as escolhas das pessoas, e os fabricantes de sistemas operacionais usam essas técnicas para impulsionar o uso em seus próprios navegadores, esmagando todos os rivais, de acordo com a Mozilla.

"A competição em navegadores e mecanismos de navegação é necessária para promover inovação, desempenho, velocidade, privacidade e segurança", explicou a equipe da Mozilla. "A concorrência efetiva exige que várias partes interessadas contrariem o poder de um pequeno número de gigantes e impeçam que eles ditem o futuro da Internet para todos nós."

Além de tudo isso, a Meta envia seu próprio navegador Oculus baseado em Chromium com seus fones de ouvido VR, e a Amazon usa o mecanismo Blink do Chromium no navegador fornecido com seus dispositivos.

A Mozilla também lembrou que algumas grandes empresas de tecnologia proibiram a adoção de aplicativos autônomos, citando que a Apple não tem a configuração para remover o Safari como navegador padrão até 2020, o que significa que os consumidores de iOS que tentam usar outro navegador estão presos no uso contínuo do Safari por 13 anos.

Por fim e como comentário pessoal, atrevo-me a dizer que a forma como a Mozilla manifesta a sua preocupação com o pequeno mercado de navegadores web (já que só temos Chrome, Firefox e safari, entre alguns outros projetos independentes, é mal direcionada, mas que são não é relevante o suficiente), já que dizer a alguém que "sua criação" está errada porque tem componente X, pessoalmente não é o caminho.

E também a Mozilla deve ser realista que o mercado que teve em algum momento, não soube manter e não tem escolha a não ser inovar ou morrer tentando, já que a mesma coisa aconteceu com o Internet Explorer na época, vai acontecer com o Chrome e a Mozilla tem muito o que fazer.

Se você quiser saber mais sobre isso, você pode conferir os detalhes no documento a seguir.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   ArtEze dito

    Não é provável que o Firefox seja um santo, é verdade que é um navegador gratuito, mas tem, por exemplo, o sistema de sincronização de extensões, e também aquele sistema que investiga quando cada página da Internet é hackeada... Firefox sincroniza todas as senhas para você todos os sites onde você se registrou… É uma boa ferramenta, talvez fosse melhor no Localstorage e que a sincronização pudesse ser exportada, mas é mais fácil online. Além de colocar telemetria e quem sabe quantas outras coisas, para isso dizer que ele provavelmente não é um santo.

    Por outro lado, acho uma boa ideia reclamar do monopólio do Chrome... Pude ver que o Firefox é melhor que o Chrome em alguns aspectos, a verdade é que o Webkit não é tão bem feito quanto tentam fazer.. .Se te trancarem no ecossistema, ou até que ponto você tem que aguentar para não reclamar?

    Além disso, o padrão web é muito complexo, cada vez que passa ele se desumaniza, com novos recursos que cada navegador deve adaptar para ficar completo, e assim aumentar o tamanho em bytes de forma abismal, o que é um tanto contraproducente. Então você não pode instalar o Firefox, por exemplo, em um Nintendo DS, ele não cabe no espaço.